Divulgação resultados: Vidas Adolescentes Interrompidas

Acesse o estudo CLICANDO AQUI

Rio de Janeiro, 18 de dezembro de 2020 – Nesta sexta-feira (18), UNICEF, Observatório de Favelas e ISER apresentam os principais resultados do estudo Vidas adolescentes interrompidas – um estudo sobre 25 mortes violentas no Rio de Janeiro. O trabalho analisa 25 mortes violentas de adolescentes, entre 12 e 17 anos, ocorridas em 2017, na região mais letal da cidade, na Zona Norte da capital. Com objetivo de contribuir com políticas públicas de proteção à vida de cada criança e cada adolescente, o estudo foi produzido pelo Instituto de Estudos da Religião (ISER) e o Observatório de Favelas, com parceria técnica do Laboratório de Análise da Violência da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, parceria estratégica do UNICEF e apoio do Ministério Público do Rio de Janeiro, no âmbito das atividades do Comitê para Prevenção de Homicídios de Adolescentes no Rio de Janeiro.”

Leia mais no site da UNICEF em: https://www.unicef.org/brazil/comunicados-de-imprensa/estudo-aponta-descaso-perante-mortes-violentas-de-adolescentes-no-rio-de-janeiro

Histórico dos dados – De janeiro de 2013 a março de 2019, houve 2.484 homicídios de adolescentes no estado do Rio de Janeiro, segundo dados do ISP. Entre as vítimas, 80% eram negros e 70% tinham entre 16 e 17 anos. Ainda assim, a capital concentrou 26% dessas ocorrências, ou seja, 648 vidas interrompidas brutalmente.

Entre as causas da letalidade violenta dos adolescentes nesse período, despontam os homicídios dolosos. A segunda causa foi a ação de policiais, crescente nos últimos anos, totalizando 22%. Na capital, a proporção de vítimas fatais por ações da polícia foi de 34%.

###

Comitê para Prevenção de Homicídios de Adolescentes no Rio de Janeiro – Lançado em maio de 2018, o Comitê para Prevenção de Homicídios de Adolescentes no Rio de Janeiro é uma instância intersetorial de pesquisa, debate, mobilização e incidência para desenvolvimento e fortalecimento de políticas públicas de prevenção de homicídios de adolescentes. O Comitê é integrado por 19 instituições e um membro observador que assumiram o compromisso de atuar pela prevenção de novos homicídios:

Observatório de Favelas – Fundado em 2001, o Observatório de Favelas é uma organização da sociedade civil sediada no Conjunto de Favelas da Maré, dedicada à produção de conhecimento e metodologias visando incidir em políticas públicas sobre as favelas e promover o direito à cidade. Tem como missão construir experiências que contribuam para a superação das desigualdades e o fortalecimento da democracia a partir da afirmação das favelas e periferias como territórios de potências e direitos. Desenvolve programas e projetos nos seguintes eixos: Direito à Vida e Segurança Pública, Comunicação, Arte e Território, Educação e Políticas Urbanas.

Iser – O Instituto de Estudos da Religião, Iser, é uma organização da sociedade civil, de caráter laico, comprometida e dedicada à causa dos direitos humanos e da democracia. Fundado pelo teólogo e escritor Rubem Alves na UNICAMP, no contexto brasileiro dos anos 1970, o Iser acompanhou o desenvolvimento de movimentos sociais voltados para luta dos direitos humanos, englobando uma série de temáticas específicas.

Informações para imprensa:
Gabriela Anastacia (Observatório de Favelas)
gabriela@observatoriodefavelas.org.br “
Informações retiradas de: https://www.unicef.org/brazil/comunicados-de-imprensa/estudo-aponta-descaso-perante-mortes-violentas-de-adolescentes-no-rio-de-janeiro

%d blogueiros gostam disto: