Publicações

 2017

ECA_2017_foto

Estatuto da Criança e do Adolescente – Versão atualizada 2017

O CEDECA Rio de Janeiro tem a satisfação de apresentar a 4ª edição da versão atualizada do Estatuto da Criança e do Adolescente. Com apoio dos parceiros Kiyo, Sint Martinus, Misereor e FURNAS, ilustrações de J. Batista e diagramação de Jonas Kussama, a versão digital contém a íntegra das Leis do SINASE e da Primeira Infância, do Sistema de Garantia de Direitos da Criança e do Adolescente Vítima ou Testemunha de Violência, da Convenção Internacional sobre os Direitos da Criança e do Programa de Proteção à Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte – PPCAAM, e a relação atualizada dos endereços dos Conselhos Tutelares do Estado do Rio de Janeiro.

Baixe aqui     Peça sua copia

GUIA MUNICIPAL.png

Guia Municipal de Prevenção da Violência Letal contra Adolescentes e Jovens

Este guia faz parte do Programa de Redução da Violência Letal contra Adolescentes e Jovens (PVRL), iniciativa coordenada pelo Observatório de Favelas e realizada em conjunto com o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República e o Laboratório de Análise da Violência da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (LAV-UERJ).
O objetivo é proporcionar uma metodologia que oriente os gestores dos municípios brasileiros na elaboração de políticas públicas voltadas para a redução da violência letal contra adolescentes e jovens. Para tanto, apresenta os passos necessários para a construção da arquitetura institucional, a elaboração de um diagnóstico, a formulação da política de intervenção de forma participativa e o monitoramento e avaliação da política elaborada e implementada.

Baixe aqui

IHA.png

Homicídios na Adolescência no Brasil: IHA 2014 

O Índice de Homicídios na Adolescência (IHA) foi concebido com o objetivo de apresentar um retrato da vitimização letal contra adolescentes no país entre os 12 e os 18 anos. Este índice é uma ferramenta para o monitoramento e a sensibilização dos gestores públicos e da sociedade em geral em relação ao fenômeno dos homicídios de adolescentes. Além disso, o IHA se propões também a auxiliar na elaboração e avaliação de estratégias específicas para modificar esta realidade. Esta é uma publicação do Programa de Redução da Violência Letal (PRVL), uma iniciativa coordenada pelo Observatório de Favelas, realizada em conjunto com o UNICEF e a Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Criança e do Adolescente.

Baixe aqui

PPCAAM.png

Um novo olhar: Programa de proteção a crianças e adolescentes ameaçados
de morte – PPCAAM;

Este guia foi pensado para dar conhecimento aos parceiros da rede de proteção do Programa de Proteção a Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte (PPCAAM) e do Sistema de Garantia de Direitos (SGD), bem como orientar as equipes técnicas na atuação dos casos de proteção para que sejam conduzidos de maneira uniforme e segura. Esta publicação apresenta o produto de estudos, diálogos e reflexões dos GTs de Segurança, Mídia, Convivência Familiar e Comunitária, Saúde Mental e Monitoramento. É também o resultado de um processo exitoso de construção coletiva permeado pela prática bem-sucedida das equipes estaduais e por uma gestão voltada para o atendimento qualificado de crianças e adolescentes ameaçados de morte, pautada na observância dos instrumentos jurídicos, no respeito à proteção integral e à condição peculiar de pessoa em desenvolvimento.

Baixe aqui

2016

ECA_2016_foto.pngEstatuto da Criança e do Adolescente – Versão 2016

Com apoio de FURNAS, ilustrações de J. Batista e diagramação de Jonas Kussama, a versão digital contém a íntegra das Leis do SINASE e da Primeira Infância, Convenção da Criança e a relação dos endereços dos Conselhos Tutelares do Estado do Rio de Janeiro.

A divulgação das leis e sensibilização pública sobre os direitos de crianças e adolescentes faz parte de um conjunto de ações de comemoração dos 26 anos do Estatuto da Criança e Adolescente, incentivada e apoiada pelos parceiros e colaboradores, alinhados com a missão institucional de “Promover a prevalência e respeito da dignidade humana, por meio da defesa jurídico-social dos direitos humanos de crianças e adolescentes, da mobilização social e da educação popular”.

 

CAPA DIREITOS HUMANOS DE CRIANÇAS E ADOLESCENTESDireitos Humanos de Crianças e Adolescentes: Coletânea de Textos e Estudos Acadêmicos.

Esta publicação organizada pelo CEDECA RJ é fruto da articulação institucional e do trabalho de diversas representações de organizações governamentais e não governamentais na execução do “Projeto Rio 2016: Olimpíadas dos Diretos de Crianças e Adolescentes”. A coletânea reúne artigos de Especialistas que tratam de temas relacionados aos direitos de crianças e adolescentes: trabalho infantil, exploração e violência sexual, maioridade penal, situação de rua, pobreza, desaparecidos, os “usos” de substâncias psicoativas.

Baixe aqui

capa cartilha fluxosFluxos de Proteção: Crianças e Adolescentes em Megaeventos

Esta publicação organizada pelo CEDECA RJ é fruto da articulação institucional e do trabalho de diversas representações de organizações governamentais e não governamentais na execução do “Projeto Rio 2016: Olimpíadas dos Diretos de Crianças e Adolescentes”. A publicação apresenta fluxos para atuação com crianças e adolescentes em situação de risco em megaeventos (situação de rua, trabalho infantil, uso de álcool e/ou drogas, exploração sexual, desaparecimento).

Baixe aqui

capa LUGAR DE CRIANÇALugar da Criança é no Orçamento Público

Em parceria com o Fórum Popular do Orçamento, ligado ao Conselho Regional de Economistas, esse projeto visa contribuir para o fortalecimento de uma cultura sistemática de monitoramento e avaliação das políticas públicas municipais direcionadas para a garantia dos direitos das crianças e adolescentes, através da análise do orçamento municipal utilizando-se da metodologia “Orçamento Criança”, com pesquisa junto aos Conselhos Tutelares, com a apresentação dos resultados para os gestores públicos e público em geral através de seminários. O resultado da pesquisa atualizada em 2016 está disponível aqui.

Baixe aqui

2015

Cartilha ABC do Sistema Socioeducativo

Cartilha de orientação para os responsáveis dos adolescentes do sistema socioeducativo do Rio de Janeiro, lançada pela ONG AMAR – Associação de Mães e Amigos da Criança e do Adolescente em Risco, com apoio da Kiyo ong para os direitos da criança e do CEDECA RJ.

Baixe aqui

 

Estatuto da Criança e do Adolescente – Versão 2015 

No dia 13 de julho de 1990, a Lei Federal 8.069 – Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) foi promulgada marcando o inicio de uma nova era para todas as crianças e adolescentes do Brasil. Hoje, 25 anos depois, ainda temos grandes desafios para a efetivação desta lei, que passam por questões culturais, sociais, políticas, orçamentais, dentre outras.

O contexto atual exige  vigilância e monitoramento para que retrocessos de direitos conquistados não aconteçam. Convidamos você a entender um pouco mais a proteção integral prevista no ECA e nas suas alterações. A versão digitalizada que publicamos agora contem todas as alterações realizadas até o momento, além da íntegra das leis do SINASE e do Menino Bernardo, e a lista de todos os Conselhos Tutelares do Estado do Rio de Janeiro.

 

 LIVRO PLANO NACIONAL _12_02_2015-1-1-1.jpgPlano Nacional de Enfrentamento da Violência Sexual Contra Criança e Adolescente

A partir da instituição do Plano Nacional, o país vivencia uma série de avanços importantes na área do reconhecimento e enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes. Este instrumento tornou-se referência e ofereceu uma síntese metodológica para a estruturação de políticas, programas e serviços para o enfrentamento da violência sexual.

Em 2008,  discussões decorrentes alertaram para a necessidade de atualização/revisão do Plano Nacional, sobretudo, para atender as chamadas novas formas de violência sexual. O processo de revisão do Plano Nacional impôs, em face da diversidade das várias realidades das regiões brasileiras e da dimensão continental do país, um amplo e detalhado processo de mobilização e debates, de forma a garantir a legitimidade das ações previstas e facilitar o monitoramento de sua implementação e para a formatação conjunta de ações que demandam execução transversal.

Baixe Aqui    Bajar Aquí Download Here

Capa Relatorio-Alternativo 2015

II Relatório Alternativo sobre os Direitos da Criança

Organizado pela Anced/Seção DCI – Associação Nacional dos Centros de Defesa dos Direitos da Criança e Adolescente, em parceria com outras organizações, o II Relatório Alternativo sobre os Direitos da Criança tem por objetivo servir como instrumento de denúncia sobre a gravidade da situação de desrespeito aos direitos da criança e adolescente no Brasil. E evidencia que o Estado brasileiro tem sido omisso em garantir os direitos humanos de crianças e adolescentes, sobretudo o Direito à Vida.

Baixe aqui

2014

Guia Justiça Restaurativa: um novo olhar para a experiência infracional

A publicação busca informar sobre a Justiça Restaurativa Juvenil, no contexto brasileiro, um paradigma em construção, baseado em normativas internacionais como a Convenção dos Direitos da Criança, Regras de Beijing e a Resolução 2002/12 do Conselho Econômico e Social das Nações Unidas (ECOSOC).

Baixe aqui

2013

Cartilha “Justiça para o adolescente em conflito – Como se defender dela” – Versão 2013

Para promover o respeito à dignidade humana e informar sobre direitos, deveres e os meandros burocráticos da lei, o Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente do Rio de Janeiro lançou, em 2010, a cartilha “Justiça para o adolescente em conflito com a lei – Como se defender dela”. O material é resultado do esforço coletivo de organizações de direitos humanos, mães e responsáveis, além das famílias e dos próprios adolescentes.

Baixe aqui

plano municipal.png

Plano Municipal Pela Primeira Infância do Rio de Janeiro 

De maio a dezembro de 2012, um grupo de organizações integrantes da Rede Nacional pela Primeira Infância (RNPI) foi constituído para elaborar um documento com prioridades para a primeira infância a ser apresentado ao Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCARio) partindo-se de pesquisas e indicadores existentes e de prioridades já pautadas por instâncias governamentais e da sociedade civil, e em espaços de discussão e de deliberação, como Conselhos e Fóruns.
O grupo de trabalho do município do RJ que participou da elaboração dessa proposta foi composto pelas seguintes organizações: Casa da Árvore; Centro de Criação de Imagem Popular – CECIP; Centro de Estudos Integrados, Infância, Adolescência e Saúde – CEIIAS; Centro Internacional de Estudos e Pesquisas sobre a Infância – CIESPI, em convênio com a PUCRio; Estratégia Brasileirinhos e Brasileirinhas Saudáveis – EBBS; Fundação Xuxa Meneghel; Fundo das Nações Unidas para a Infância – UNICEF; Instituto Promundo.

Baixe aqui

2012

Estatuto da Criança e do Adolescente – Versão 2012

O ECA foi promulgado em 1990 e consiste na legislação específica que regulamenta o paradigma da proteção integral preconizado na Convenção sobre os Direitos da Criança da Organização das Nações Unidas (ONU) e no artigo 227 da Constituição Federal de 1988. Ele substitui o Código de Menores, legislação voltada para os “abandonados”, “expostos”, “carentes” ou autores de atos infracionais e, por isso, passíveis de tutela pela lei.

 

 

 

Recolhimento e internação compulsória – uma política violadora de direitos humanos

O Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente do Rio de Janeiro realizou o projeto “Recolhimento e Internação Compulsória de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua na Cidade do Rio de Janeiro” – Uma política violadora dos direitos humanos”.

Apoiado pelo Fundo Brasil por meio do Edital Anual 2012, além de avaliar os efeitos dessas políticas, apontando as contradições e violações de direitos, e foi produzida uma publicação com artigos e pareceres técnicos sobre os efeitos das políticas de internação compulsória de crianças e adolescentes.

Baixe Aqui       Veja o Blog

2004

Capa Relatorio-Alternativo-2004Relatório Alternativo Sobre a Situação dos Direitos da Criança e do Adolescente no Brasil 

Este é um relatório da sociedade civil a respeito da efetivação da Convenção sobre os Direitos da Criança pelo Brasil, sob iniciativa da ANCED – Associação Nacional dos Centros de Defesa da Criança e do Adolescente e do Fórum DCA – Fórum Nacional Permanente das Entidades Não-Governamentais de Defesa dos Direitos da Criança e Adolescente. O objetivo do Informe é apresentar à sociedade brasileira e, em especial, aos movimentos de defesa da criança e do adolescente os avanços e retrocessos da situação infanto-adolescente e juvenil do País, nestes últimos 14 anos. Pretende, ainda, chamar a atenção da comunidade internacional para as graves violações dos direitos desse público, num país de muitas dívidas em relação aos direitos humanos, especificamente, relacionados à raça, gênero, geração etc.

Baixe aqui